segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

talvez.



ele se perguntava diariamente,
de hora em hora
será que ela volta?
será que um dia veio?
a companhia de quem fica são as dúvidas.

será que conseguirá viver?
e se prende em lembranças, em esperança, em si mesmo

os dias com ela eram plenitude
não importava onde ela estivesse
se com ele, se dentro dele, se pelo mundo


mas depois de um tempo,
ele já não esperava por ela
só queria a paz de estar só
sem talvez.


[inspirado em um monólogo sensacional do Álamo Facó, Talvez.]

2 comentários:

Alice disse...

O talvez é mais cruel que um não. Eu quero essa paz.


Beijos, Mari.

. pamela moreno santiago disse...

Boa noite.
Desculpa o incomodo, mas venho hoje pedir que olhe com carinho meu blog de resenhas literárias, o O Leitor.
Se puder fazer parte, agradecemos.

Obrigada e uma ótima sexta-feira. Beijos,

Pamela.